HomeARTIGOS

Grappling Parte III – Conde Koma, O homem mais forte que já existiu

Grappling Parte III – Conde Koma, O homem mais forte que já existiu
Like Tweet Pin it Share Share Email

Voltamos com a série sobre Grappling. Desta vez faremos algo diferente: ao invés de falarmos apenas da luta, focaremos em algumas pessoas chave. São pessoas EXTREMAMENTE importantes para o cenário atual dos esportes de combate que muitas vezes não recebem os devidos créditos.

A técnica marcial mais popular é incontestavelmente a arte derivada do Kosen Judô que o mundo todo pratica. É uma luta com raízes Orientais e Ocidentais, que possui duas variações – Combate esportivo e Defesa-Pessoal. Reconheceu? Claro, falo do famoso “Brazilian Jiu Jitsu”.

Agora, antes dos Gracies espalharem a arte pelos quatro cantos do planeta, existiu um homem – forte o suficiente para provar a superioridade de seu jiu jitsu sobre outros lutadores… em todos os países pelos quais passou – do Japão, passando pela Rússia, aos Estados Unidos

chegando no Brasil. Este homem foi um dos melhores alunos de Jigoro Kano (lendário fundador do Judô – o qual faremos um artigo a respeito no futuro) – Mitsuyo Maeda, o Conde Koma.

 

Afinal, o quão importante foi Conde Koma para o Jiu Jitsu Brasileiro?

Bom… podemos dizer que toda a base do Jiu Jitsu Brasileiro tem suas raízes nas técnicas ensinadas por ele a pessoas como Carlos Gracie, Hélio Gracie, Luís França e Oswaldo Fadda. (Sim, os Gracies não foram os únicos alunos de Mitsuyo Maeda)

Para entendermos a extensão da influência de Koma na fundação do Jiu Jitsu, precisamos ter em mente um ponto polêmico: Conde Koma nunca aprendeu Jiu-Jitsu formalmente.

Como alguém ensina algo que nunca aprendeu? Responderei explicando a linhagem de seu mestre, Jigoro Kano:

Jigoro Kano viveu em uma época em que o Jiu Jitsu Japonês original tinha perdido o estatus de arte marcial nobre dos samurais, para técnicas conhecidas por serem utilizadas por criminosos, já que com a modernização do Japão, artes marciais passaram a perder a utilidade prática que possuíra durante toda a história da ilha até então.

Kano nasceu em uma família de produtores de Saquê na metade do século 19. Seu pai o incentivou a estudar, colocando o jovem Kano em colégios particulares do mais alto nível e inclusive em escolas europeias para que aprendesse Inglês e Alemão.

Jigoro Kano era um jovem de físico frágil, com 1,57 m de altura e pesava apenas 41 kilos na época e por isso, a molecada da escola pegava no pé dele.

Nakai Baisei, um amigo da família que era membro da guarda do Shogun – título dos Ditadores militares que foram os reais governantes do Japão por 700 anos – indicou o Ju Jutsu (grafia original em Japonês) para o pequeno Jigoro Kano, que serviria tanto como defesa pessoal como exercício físico. A partir daí Jigoro iniciou sua evolução Marcial, vindo a treinar em diversar escolas de Ju Jutsu.

Durante seus treinos, percebeu que mesmo que treinasse muito, nao conseguia vencer alguns oponentes, por eles serem não só muito técnicos, como mais fortes. Ao invés de desistir ou simplesmente treinar muito mais, ele preferiu ir para o lado intelectual que tanto o foi ensinado quando mais novo: Passou a estudar técnicas de diversas escolas, não só de Ju Jutsu, como outras artes, entre elas o Wrestling Ocidental, vindo inclusive a incorporar o chamado “fireman’s carry”, que renomeou como “Kataguruma”.

Jigoro Kano passou a adaptar o Ju Jutsu tradicional, mantendo anotações sobre quais técnicas eram mais efetivas e que evitavam lesões, vindo a criar o Judô que conhecemos e admiramos.

Jigoro Kano fundou a famosa escola Kodokan, que teve muitos alunos ilustres, entre eles, Mitsuyo Maeda, o Conde Koma.

Conde Koma aprendeu o Judô direto da fonte, o que fazia dele um excelente Judoca. O único contato que teve com o Ju Jutsu, foi atraves dos ensinamentos de Jigoro Kano. Por isso disse que ele nunca aprendeu Jiu-Jitsu formalmente.

Para divulgar ao mundo o Judô, Jigoro mandou seus melhores alunos a diversos países para fazer apresentações de suas técnicas, mas eram expressamente proibidos de ensinar a estrangeiros e entrar em lutas para ganhar dinheiro, tendo como punição a expulsão da escola Kodokan.

Mitsuyo Maeda passou por diversos países, mostrando as técnicas do Judô, até que em Nova York, começou a dar aulas (apenas alguns ensinamentos básicos).

O problema é que ocidentais gostam muito de luta, mas nem tanto das formalidades das artes marciais, o que fez com que não conseguisse muitos alunos.

Em certo ponto, Mitsuyo estava sem grana e um Japonês ofereceu 1.000 dólares para que ele entrasse em uma luta ilegal. Conde Koma pensava diferente de Jigoro Kano — Aliás uma breve explicação: Arte Marcial é uma tradução não muito exata, pois o sentido literal seria “Técnica Marcial”. “Arte” foi traduzido quando lutas orientais passaram a ser exportadas para o Ocidente. A origem do termo é simples: ‘arte marcial,’ ou seja, Arte de Marte sendo marte o Deus da guerra na mitologia Romana. Esta é a origem de todas as Técnicas Marciais:

O combate, enfrentamento, a guerra — então ele aceitou e passou a ganhar dinheiro lutando.

Para evitar problemas com a escola Kodokan, Mitsuyo Maeda mudou seu nome para Conde Koma e para não “sujar” o nome do Judô de seu mestre, divulgava ser lutador de Ju Jutsu.

Conde Koma ganhou o apelido de “o homem mais forte que já existiu” porque não se tem registro de nenhuma derrota que tenha sofrido. Ele incorporou ao seu

“Judô” as técnicas que Jigoro Kano havia proibido, já que em um combate de verdade, são estas técnicas que fazem a diferença entre a vitória e a derrota.

Ele sempre vencia os oponentes da região, então se mudava e o ciclo continuava. Seguindo este padrão, Conde Koma chegou ao Brasil, onde enfrentou muitos oponentes e após ter derrotado todos eles, recebeu o convite de um certo Gastão para que fincasse raízes por aqui, ensinando seus filhos a se defender e a aprenderem o que é diciplina. Mitsuyo Maeda relutou mas aceitou. Ele ensinou seu Ju Jutsu. Que poderia muito bem se chamar “Maeda Jiu Jitsu”, mas por influência destas crianças, hoje chamamos de “Gracie Jiu-Jistu” ou “Jiu Jitsu Brasileiro”.

 

Mantenha a Guarda alta!

Faixa preta de Jiu-Jitsu, estudioso do universo das lutas e administrador do Golpes de Luta.